Falamos sobre arte na cidade na Semana de Artes da FAAP

Fernanda Carpegiani

Quando fomos convidadas para participar da Semana de Artes Plásticas da FAAP deu aquele frio na barriga. Como duas jornalistas podem falar sobre arte em uma faculdade de arte? Mas aí os professores disseram: o que vocês falam sobre pessoas que ocupam a cidade com arte é novo para os estudantes. Nosso papel ali era apresentar o lado urbano das expressões artísticas, e isso é uma paixão aqui no Formiga-me.

Em primeiro lugar, o tema da Semana de Artes da FAAP deste ano foi “Como seguir adiante“. Mais atual do que isso impossível. Porque tem horas que a gente fica perdido no meio de tantas informações e grandes mudanças econômicas, políticas e sociais. Bom, todo dia, né?

Uma das nossas apostas para estes novos caminhos é conversar sobre a nossa relação com a cidade e pensar juntos em ações para melhorar a vida urbana. Esse foi o ponto de partido do nosso papo com os alunos, que rolou no dia 8 de maio no Centro de Convenções da faculdade, das 8h às 10h.

Alunos da FAAP assistem à palestra do Formiga-me na Semana de Artes Plásticas

A plateia estava cheia! E temos certeza de que a moça no celular estava fazendo anotações importantes sobre a palestra.

Muita arte na cidade

Durante o nosso papo, falamos sobre o papel da arte na cidade. Quando ela sai dos espaços tradicionais e vai para a rua, infinitas possibilidades se abrem. Tanto para quem produz quanto para quem “recebe”, ou seja, os habitantes da cidade. Assim, a arte urbana passa a ocupar um espaço que antes era dominado por um tipo de arte mais tradicional, digamos assim. Estamos falando de parques, prédios e outras estruturas.

Isso transforma a cidade. Não só porque os lugares mudam, mas também por ser mais um jeito das pessoas interagirem e se relacionarem com os espaços públicos. E não estamos falando só de grafite e lambe-lambe, viu? Um dos objetivos da nossa palestra foi mostrar os diferentes tipos de arte que cabem nas ruas. Por isso, falamos de projetos como Imargem, Cidade Ativa e Acupuntura Urbana. Inclusive, reunimos esses exemplos em um post sobre arte na cidade, para ficar como referência por aqui também.

O papo rendeu discussões, perguntas e a sensação de que contribuímos para abrir os horizontes dos estudantes de arte da FAAP. A gente amou a oportunidade e a experiência. E já estamos prontas para a próxima!

Deixe um Comentário

Comece a digitar e pressione Enter para pesquisar

Ademar, morador do Itaguá, no barco fazendo a limpeza do rio